Música e exercício: veja os benefícios dessa combinação

As melhores músicas para treinar não necessariamente são as mais agitadas; cada pessoa tem um gosto musical, na maior parte das vezes baseado em memórias e emoções. Diversas pesquisas na área de saúde afirmam que essa união entre música e treino é praticamente um casamento, onde um não pode viver sem o outro, pois os benefícios são muitos: ajuda a distrair da dor e fadiga sentidas durante o exercício, eleva o bom humor, a resistência, reduz o esforço percebido e pode até mesmo potencializar o metabolismo.

A identificação musical está associada primeiramente às letras, seguida pelas melodias, que por sua vez são compostas pelo tempo, medido em batidas. De acordo com psicologistas, as pessoas em geral têm tendência em preferir músicas com 120 batidas por minuto (bpm), tanto é que a maior parte das canções produzidas entre 1960 e 1990 tinha essa característica.

Para atividades de alta intensidade, como corrida e o próprio treinamento funcional, músicas de 160 bpm são as mais ouvidas – como dance e eletrônico -, mas também há quem goste de treinar com rap nos fones de ouvido, já que o ritmo possui batida cadenciada, sobreposta em uma melodia relativamente suave, o que vai de encontro à repetição dos exercícios.

Então, diante de tantas opções, resolvemos ajudar na escolha musical do seu treino e montamos essa playlist maaara, confira!

Treinamento funcional e suas variações

O treinamento funcional ganha cada vez mais adeptos nas academias, principalmente como uma alternativa à musculação, pois consiste em séries de movimentos que não utilizam máquinas, e sim equipamentos específicos (wall ball, theraband, cordas de navio, TRX, etc), além do peso do próprio corpo.

Sua principal característica é mesclar diferentes capacidades físicas em um só exercício – força, flexibilidade, capacidade cardiorrespiratória, coordenação motora e equilíbrio -, fazendo com que o organismo tenha um gasto energético muito maior, e por isso é indicado para as mais diversas finalidades, como estética, perda de peso e aumento do tônus muscular.

Além disso, os movimentos realizados no treino funcional reproduzem atividades diárias, permitindo, pela repetição, você educar seu corpo a levantar caixas pesadas ou carregar corretamente as sacolas do supermercado sem prejudicar suas costas ou joelhos, por exemplo. Com isso, variações da modalidade foram sendo criadas ao longo do tempo, como as que seguem abaixo:

Trabalhe o corpo todo usando Wall Ball!

A Wall Ball, também chamada de Medicine Ball ou Med Ball, é uma bola de borracha bastante usada em atividades que visam treinar força e coordenação motora. Quando foi criada, era usada por lutadores e preenchida com areia; hoje, ela pode ser utilizada até por crianças, e possui diferentes tamanhos e pesos, permitindo sua aplicação em diversos exercícios.

No Crossfit, ela é mais conhecida como Wall Ball, pois o exercício onde ela é mais utilizada chama-se Wall Ball Shot – tiro de bola na parede –, que consiste em arremessar a bola na parede em diversas séries de repetições, combinado a outros dois exercícios, front squat (agachamento com o peso à frente do corpo) e push press (movimento dos braços lançando a bola).

Já no treinamento funcional, ela é bastante usada para trabalhar os músculos abdominais, seja arremessando a bola ao chão após o levantamento os calcanhares, ou nos exercícios tradicionais, apoiando e levantando as costas do chão segurando a bola, ou lançando o equipamento nas laterais do corpo, de forma a usar o seu peso como um potencializador de resultados.

Apesar de parecer simples, os exercícios com a Wall Ball trabalham grande parte dos músculos do corpo (pernas, ombros, glúteos, abdominais, tríceps braquial e bíceps femural), além da parte cardiorrespiratória. Por isso, têm sido usados até como um método de preparação física específico para atletas, como skatistas, por exemplo, na prevenção de lesões e auxílio na evolução de manobras.

Veja alguns exemplos de exercícios feitos com a Wall Ball:

Trabalhe o corpo usando wall ball

Foto: Shutterstock

Tênis para treinar: qual escolher?

Para um bom desempenho em qualquer atividade física, é importante escolher roupa e calçado adequados, como os tênis para treinar, assunto sobre o qual muitas pessoas ainda têm dúvidas, pois a atividade tem exercícios bem variados.

Recentemente, a Reebok lançou uma linha de tênis exclusivos, com Kevlar, um tipo de fibra sintética utilizada em coletes à prova de bala, além de características para amortecimento e resistência, visto que a modalidade apresenta alto impacto.

Tênis como esses se enquadram no tipo “multiatividade”, que é o mais utilizado nos treinos, pois oferecem um misto de estabilidade com flexibilidade, aplicado em um solado mais reto, com o salto das sapatilhas de levantamento de peso, e ponta flexível para corridas e saltos de corda.

As sapatilhas de LPO trazem inúmeros benefícios para os praticantes, como estabilidade, segurança e melhor performance, pois permitem maior amplitude de movimentos. Possuem solado duro, geralmente feito à base de madeira ou plástico de baixa compressão, com fechamento por cadarços e fivelas; porém existem poucas opções no Brasil, e ainda com um custo um pouco alto.

Mas, se o atleta prefere um calçado mais confortável, e os WODs têm movimentos que não precisem de muita estabilidade nos pés, como barras, muscle-ups e double unders, a melhor opção é um tênis de corrida, e o modelo pode variar bastante de pessoa para pessoa.

Existem outros tipos de tênis que podem ser encontrados na mala de um crossfitter, como sapatilhas de wrestling, chuteiras de futsal, e até All Stars de cano alto, sendo opções para quem não quer investir muito em um calçado específico.

De um modo geral, o que importa na hora de escolher qual tipo de tênis será utilizado para o treinamento funcional é o atleta se sentir confortável nele, além de conseguir executar a atividade sem riscos de lesões.

Fisters: a nova onda nas academias

A onda hipster movimentou bastante os cenários da música, moda e beleza, e deu origem a uma nova tendência: os fitsters. O termo é uma mistura entre hipster e fit, e os adeptos do conceito seguem essa combinação à risca, apresentando um estilo descolado e ao mesmo tempo com uma pegada saudável, com a prática de atividades físicas ao ar livre e consumo de comidinhas balanceadas.

O precursor do movimento fitster é o fotógrafo americano Mark Hunter, que trocou as clicadas de jovens endinheirados em festas exclusivas por alimentos saudáveis, caminhadas e a busca por um corpo definido. Duas vezes por semana, reúne um grupo de jovens para caminhar no Runyon Canyon, os quais, assim como a maioria dos fitsters, adoram de tirar selfies e praticar o chamado health bragging, ou ostentação de costumes e produtos saudáveis nas redes sociais.

Essa tendência está movimentando bastante o mercado da moda, que tem apostado com força no segmento. Marcas como Track & Field, H&M e Adidas realizaram parcerias com famosos estilistas para o lançamento de coleções de peças de uso além das academias, e com tom divertido, uma das principais características desse novo estilo.

Outra grande com a mudança de ares foi o crescimento no número de homens praticando yoga. Londres é considerada um dos principais redutos do conceito fitster e de lá surgiu o projeto Boys of Yoga, que procura desmistificar a prática da atividade, sobre a qual grande parte das pessoas pensa ser destinada apenas a mulheres.

Foto: Reprodução / Boys of Yoga

Foto: Reprodução / Boys of Yoga

“A verdade é que te faz um homem melhor. Yoga não é mais apenas para sua mãe, sua irmã ou sua namorada. Está na hora de acabar com essa reputação” é a frase inicial do site do projeto, e na página são exibidos fotos e vídeos de homens – muitos deles tatuados e barbudos – em posições (ou asanas) de yoga, com um senso de humor particular.

Há quem afirme que o hipster morreu, dando origem ao fitster, e que no Brasil essa moda tem tudo pra pegar, principalmente porque musas e musos fitness facilmente tornam-se referência de beleza. Por isso, vale a dica: independente do estilo de vida saudável adotado, é preciso ter equilíbrio, e ser saudável sem abrir mão do convívio social. Ou seja, sair pra comer ou beber com amigos, com moderação, não vai colocar a sua saúde em risco.

6 dicas para os iniciantes na Tribo

1 – RESPEITE A PROGRESSÃO DOS MOVIMENTOS 

É normal todo iniciante ao chegar no Box se empolgar querendo levantar uma carga pesada no Snatch, ou fazer um Kipping Pull Up nas primeiras semanas de treino. O que PRECISAMOS obedecer é a ordem fisiológica da nossa evolução.

Um exemplo bem simples é de quando somos crianças: primeiro aprendemos a engatinhar, andar e só depois correr. Se ultrapassamos alguma dessas fases, provavelmente nos machucamos ou não executamos da melhor forma possível, porque o corpo ainda não estava preparado para o “próximo passo.” Por isso, é essencial construir uma base sólida, preparar e fortalecer a musculatura antes de acrescentar uma carga extra! Ela vai ser a primordial para evoluirmos em todos os movimentos.

2 – OUÇA O SEU CORPO

Sabemos bem que para conseguir reais resultados precisamos treinar com intensidade e isso é um ingrediente que não falta no nosso método de treinamento! Se você está iniciando hoje, não tenha pressa em completar todos os treinos da semana! É fácil no início querermos exagerar! O que indicamos é iniciar com treinos em dias intervalados, e na segunda ou terceira semana aumentar a frequência. O descanso é tão importante quanto o seu treino para alcançar seus objetivos e vitar lesões possíveis lesões. Ouça o seu corpo!

3 – PRATIQUE MOBILIDADE

Esse é um fator chave no nosso esporte! Treinar mobilidade faz com que você execute os movimentos com uma amplitude melhor e com mais facilidade. Ter uma mobilidade boa vai fazer você levantar mais carga em qualquer levantamento de peso olímpico e executar os movimentos ginásticos com mais segurança. Não esqueça disso!

4 –  ADAPTE OS MOVIMENTOS

Isso é de extrema importância para todo atleta iniciante! Lidamos com movimentos antes nunca feitos em outra atividade, e por isso a dificuldade na execução.

Não se desespere! Peça ajuda ao seu Coach e faça as adaptações necessárias para o seu nível de condicionamento atual! Acredite: o seu treino será mais proveitoso se você escolhe a adaptação correta para cada movimento! Dessa forma você vai fazer mais repetições com mais segurança e eficiência!

5 – ESQUEÇA O RELÓGIO

Sabemos o quanto é empolgante terminar o treino antes de escutar o barulho do relógio indicando que o tempo limite acabou! Porém, ainda mais importante do que isso é a qualidade das suas repetições durante todo o workout. Não sacrifique as boa técnica dos exercícios para terminar o WOD antes do Time Cap. Isso não significa que você não deve prestar mais atenção ao relógio! Você deve! Essa competição saudável consigo vai te fazer evoluir como atleta! Mas lembre, um atleta só evolui com uma boa técnica!

6 – DIVIRTA-SE 

Essa é a melhor dica que podemos dar! É difícil conseguir manter frequência em uma atividade quando não estamos nos divertindo. Aproveite o seu tempo no Box, converse com os seus parceiros de treino, faça parte da comunidade, participe dos eventos que o seu Box promove e o mais importante: desfrute de cada conquista sua por menor que ela pareça ser! APENAS DIVIRTA-SE!

Abdominais para arrasar no verão!

Os abdominais estão entre os exercícios mais praticados nas academias, e mais buscados na internet também. Barriga chapada, sarada, negativa… Independente do nome, todo mundo quer ficar em forma para o verão, que está logo aí! Por isso, segue a dica de um equipamento bem bacana, e que tem mostrado excelentes resultados no treinamento funcional: o Abmat.

Para melhor performance nos abdominais, o ideal é que os músculos saiam de uma posição de comprimento máximo (quando se está deitado no chão), para uma posição de comprimento mínimo (sentado com os joelhos próximos ao peito). Esse processo acontece graças a dois pontos de articulação que temos, localizados na coluna vertebral e na pélvis.

Entretanto, a maior parte das pessoas tem uma leve curvatura na região lombar, e se não há fortalecimento adequado dos músculos dessa ou dos abdominais, podem ocorrer lesões, ocasionando no afastamento temporário ou definitivo das atividades físicas.

O Abmat ajuda na prevenção dessas lesões, pois serve como apoio para a lombar, além de ser uma espécie de almofada, com design seguro e confortável. Dessa forma, permite trabalhar os músculos abdominais superiores ou inferiores, assim como os músculos oblíquos e lombares, em exercícios variados, tonificando o chamado “core”, ou centro de equilíbrio do corpo, sem comprometer a coluna.

Veja a aplicação do Abmat em um dos abdominais mais conhecidos do treinamento funcional, o sit up:

Como lidar com a concorrência dos boxes próximos ao meu?

Quando falamos sobre definir a visão de você mesmo e do seu negócio, é importante destacar que quando ela não está bem definida fica difícil atingir os seus objetivos, e você acaba se perdendo tentando imitar o que os outros estão fazendo.

A Tribo Fitness recebe diversos e-mails de outros boxes, pedindo dicas do que fazer com relação ao box da esquina, ou da mesma cidade. Muitos deles trazem comentários como: “Como fazer para não perder clientes se eles têm preços mais baixos?” ou “Eles estão fazendo isso e aquilo, será que deveríamos fazer uma parceria com eles?”.

Diante disso, lembre-se: defina quem você é, quer ser e para onde quer ir. Sua visão e missão são cruciais para o seu negócio!

É preciso saber que tipo de box você quer ser. Você quer ser o tipo de academia que tem de tudo, o box que recebe todo mundo, ou o box focado em treinamento de atletas de elite? Você tem que decidir o que é importante para você e SER ESTE BOX.

Sabendo exatamente quem você é, a competição com o box da esquina já não importa mais. Nenhum de nós consegue servir 100%, ou nem mesmo 25% da população de nossas cidades. Então uma vez que sua visão for definida, você saberá quais clientes está procurando, e este tipo de cliente vai buscar seu box, pois ele sem dúvida está procurando o que somente você pode oferecer.

A primeira academia que o Toby Watson – criador do método Tribo Fitness – abriu em Atlanta (EUA) chamava-se CrossFit on the Move, e tinha muitos concorrentes.  Estavam abertos há apenas 1 ano quando dois boxes abriram logo ao lado, sendo um deles a 200m de distância, e o outro, a 1 km.

Os boxes tinham preços mais baixos do que a academia. A princípio Toby ficou bastante preocupado, desacreditado com o que estava acontecendo, pois era claramente uma tentativa de roubar seus clientes. Porém, apesar da tentativa de imitação – e com um preço mais baixo – não deu certo, pois eles não sabiam de verdade quem eles eram, e isso ficava evidente.

Estavam sempre copiando o conteúdo da CrossFit on the Move, eventos, e até mesmo as ações de marketing. E por não entenderem a visão da academia, nem terem sua própria, o impacto deles nos clientes do Toby era mínimo.

Um box precisa de não mais que 250 a 300 clientes para funcionar bem, dando espaço para todo mundo ter sucesso neste negócio, e não precisar se preocupar com o tal “box da esquina”.

Na verdade, novos boxes são uma ótima oportunidade de criar uma comunidade maior, pois quanto mais existirem, sinal que há mais gente praticando treinamento intensivo. Dessa forma, o marketing vai se tornando muito mais fácil para seu negócio também.

Normalmente as pessoas procuram academia pela conveniência, que precisa estar próxima às suas residências ou locais de trabalho para que se forcem a ir, e não desistam de praticar uma atividade física. Por isso, nós da Tribo temos a seguinte política: quando recebemos ligações de pessoas que moram a mais de 5 km de alguma unidade perguntando sobre os planos, indicamos uma das outras 4 academias da cidade.

Com isso, você acaba se tornando amigo dos donos de outros boxes e assim passa a trocar idéias, criando um verdadeiro senso de comunidade. Porque quanto mais a modalidade crescer, melhor para você. Foque na sua visão, no seu box e você verá seu negócio fazendo sucesso, sem precisar se preocupar demais com a concorrência.